Quando Américo Sebastião foi raptado na manhã do dia 29 de Julho de 2016 em Moçambique, iniciou-se um novo e dramático ciclo na vida dos seus familiares, mulher e filhos, nunca antes imaginado, e cujo caminho tem vindo a ser percorrido com indizível sofrimento. Até hoje, e volvidos mais de dois anos, Américo Sebastião ainda se encontra desaparecido e o caso permanece por ser esclarecido e resolvido.

Todo o tempo que tem passado tem sido também um tempo de estudo e aprendizagem, de análise das fragilidades e vulnerabilidades do sistema político, judicial e jurídico institucionalmente implementado para o tratamento eficaz e eficiente na resolução dos casos de desaparecimento de pessoas, de consciencialização das realidades existentes e, sobretudo isto, do apuramento da sensibilidade que conduz à compreensão que ainda existe um longo caminho a percorrer no sentido de apoiar as vítimas e as suas famílias.

De facto, no decurso de tais estudos e análise, tem-se também revelado que este caso em concreto não é único ou isolado, e também que muitos casos não são de conhecimento público, encontrando-se na sombra do medo e das ameaças envolvidas e conduzido as vítimas e suas famílias para o mundo da desconfiança, da insegurança, da desesperança, da falta de informações e de apoios, da dor, e da tristeza.

A criação desta organização foi a natural resposta no sentido de contribuir muito activa e positivamente no apoio às vítimas e suas famílias e na promoção de melhores e mais eficazes políticas e suas medidas.

O nosso caminho é um caminho de luz, de esperança e de alegria para nunca perdermos o maior sentido de todos: o sentido da vida!

A organização está aberta a tudo e a todos.

Junte-se a nós: ajude-nos a contribuir para um mundo melhor, mais livre, mais seguro e sem violência.

Muito obrigado.

 

Salomé Sebastião
Rodrigo Pereira Melro Sebastião
Afonso Melro Sebastião
Nuno Pinto Teixeira

Lisboa, 17 de Setembro de 2018